quinta-feira, 8 de Setembro de 2011

II-V-I

Muito bem,

após a "cházáda" sobre intervalos, tríades, escalas e modos (especificamente o modo Jónio, Dórico e Mixolídeo), penso que já estamos preparados para falar sobre a progressão (sequência de acordes) mais utilizada no jazz, a progressão II-V-I.

Espero que já tenham reparado que o II é o modo Dórico, o V é o modo Mixolídeo e o I é o modo Jónio. ;)

Qualquer standard de Jazz que se preze, estará 99% das vezes, impregnado com estes movimentos.

Mesmo que existam outros acordes esquisitos envolvidos, havemos de chegar a uma altura em que percebemos que eventualmente, essa cifra esquisita serve apenas como apoio para reforçar a ideia ou sugerir alguma coisa. Mas a base, essa estará muitas vezes acente nesta progressão.

Exemplo de II-V-I
D-7|G7|C7M

Analisando a sequência em cima, temos:
- Ré Dórico (II)
- Sol Mixolídeo (V)
- Dó Jónio (I)
Portanto, se virmos esta sequência, significa que podemos andar a varrer a escala de Dó Maior à vontade que estaremos sempre dentro do tom.

Bom... à vontade, vontadinha não será, temos que ter atenção que há notas que resultam melhores que outras e a seu tempo, abordaremos esse ponto.

De qualquer forma, o que disse não é inválido, podemos de facto tocar todas as notas da escala de Dó maior.

A merda toda é que nem sempre a progressão II-V-I aparece completa!
Filhos da mãe!! Era queimá-los a todos!!

Pois é, por vezes pode aparecer apenas II-V ou V-I. De qualquer forma, tudo o que disse permanece válido.

Exemplo:
D-7|G7|G-7|C7|C-7|F7|Bb7M
Analisando a sequência em cima temos:
- Ré Dórico (II)
- Sol Mixolideo (V)
- Sol Dórico (II)
- Dó Mixolídeo (V)
- Dó Dórico (II)
- Fá Mixolideo (V)
- Si bemol Jónio (I)

Portanto, neste caso, podíamos no 1º II-V, varrer a escala de Dó Maior, no 2º II-V, improvisar em Fá Maior e finalmente, improvisar em Si bemol Maior.

Para finalizar, uma dica:
Apesar do que escrevi acima ser completamente verdadeiro, e de ser muito importante perceberem o que estão a tocar, devem também perceber que não é muito prático estar a fazer este raciocínio em tempo real pelo que, é muito mais rápido e eficaz se souberem bem os modos. E esta foi uma das minhas grandes batalhas que tive para mudar a minha cabeça clássica para jazzer:

Cabeça clássica
II-7 -> Modo Dórico -> Qual é o grau I? -> improvisa na tonalidade de I Maior
V7 -> Modo Mixolideo -> Qual é o grau I? -> improvisa na tonalidade de I Maior

Cabeça Jazzer
II-7 -> Modo Dórico -> Improvisa com b3 e b7
V7 -> Modo Mixolideo -> Improvisa com b7

Sem comentários:

Enviar um comentário